letra há

Não há espaço

Não há silêncio

Sou só cansaço

Sou só extremo

 

Desliga-me

Desliga-me e deixe-se

Desliga-se e deite-se

Destrua-me, deleite-se

Discorde, destoe

Deponha, descreva

Cure e alimente-se do que já fui

Cura-me e alimente-me do que já foi

Mata-me, ata-me, cala-me

Sufoca-,me,se for de teu gosto

Apenas deixe-me

Ir

 

Não há espaço

Não há saída

Não existe cura pra essas feridas

um texto ruim pro que nem sempre me faz bem

 

Tem horas em que eu preciso respirar como se fosse morrer

Preciso afundar até o ponto mais escuro e frio de mim e sentir o ar acabar

Tem horas em que eu preciso me permitir doer

Aceitar que o coração bate vazio e devagar

Cair sem medo algum

 

Tem horas em que eu tenho que jogar na minha cara tudo aquilo que me falta

Tudo aquilo que eu realmente quero e tudo aquilo que me impõem

Tem horas que é preciso apagar o mundo ao meu redor

Entrar numa bolha e ter certeza de que estou só

Tem horas que eu preciso esquecer

Me acostumar, não me importar, aprender a suportar e seguir em frente

Tem horas que eu me perco atrás de algo que eu nem sei se existe

Mas me encontro nessa busca sem qualquer limite

Tem horas em que eu simplesmente, me sinto triste.

dois tempos-duas vozes-dois segundos

De um segundo ao outro, o infinito espaço que corre em um labirinto. Suposição, acaso, glória e desdém. Não fui eu, não sou eu, não, não é você também. Mas onde foi parar o que havia de bom? Ninguém. De um segundo ao outro meu mundo gira e o que era em cima agora toca o chão. Eu vou e vem (?) e vem e vão as ondas mais em vão, mesmo que esse dia nublado e sem praia me pareça belo. É luto no momento em que espero o que não há de vir.

 

Não me afetam palavras, pra elas não ligo, meu propósito é só meu, pessoal e intransferível e tão ante a mim quanto se tem feito o mundo; jamais eu ousaria me exibir à sua vista. Acordo feito e risco assumido.

 

De um segundo ao outro, o meu infinito. Tão vazio que é capaz de suportar qualquer coisa. Tão vazio que é capaz de se transformar em tudo o que eu quiser que ele seja, ou até mesmo, naquilo que eu jamais desejaria que ele fosse. O fato é que eu não tenho ambição quanto a isso, o fato é que eu não busco nada, eu já encontrei o nada e ele mais do que suficiente pra que eu possa me fazer o que quiser dentro dele. Se encontrei algo, foram com minhas próprias pernas e por meus próprios olhos e em meu próprio tempo. De um segundo ao outro, nenhum de nós foi o primeiro.

beco

Preciso de alguma coisa que torne isso menor. Rápido, rápido, rápido! Preciso de algo que tire de mim esse vazio. Rápido, rápido, rápido! Preciso de algo que me jogue mais fundo, que me deixe mais longe, que me afogue quase sem pressa nenhuma. Preciso de um sentindo mesmo que esse sentir esteja no mais agudo sofrer. Eu espero a morte, mas ela é ingrata demais com quem fez tão pouco pela vida como eu. Eu não sei se sou capaz de suportar tudo, eu não sei se quero ter que suportar mais alguma coisa. A minha vida inteira sempre foi suportar e suportar e suportar tudo. As pessoas, seus erros, suas manias, seus defeitos, seus excessos, suas mentiras, suas cobranças, suas regras, suas certezas, sua arrogância. Eu suportei tudo isso desde o primeiro dia, e agora eu já não tenho mais força pra me levantar. Meu fardo parece pesado demais pros meus braços fracos e pro meu joelho rompido. Meu peso só aumenta, a minha angustia só aumenta, a minha dor só aumenta, o meu tesão vai morrendo e vida vai ficando cada dia mais sem graça, mais sem nada que me justifique ou me compense. Eu já não vejo valor em mais nada. Chegou a conta e existir já não significa estar vivo.

A internet, a televisão e a sua cara de otário (voluntário)

É sempre assim. E só eu vir parar aqui que isso acontece. Essa tela branca me encarando, esse brilho de monitor, esse som de teclado. Eu chego e nada vem a minha cabeça, mas isso deveria ser óbvio, essa máquina não tem mesmo estimulado a cabeça de ninguém. Que me entendam aqueles que me entendem, mas a verdade é mesmo essa.

 

Ok. Eu curto uma brincadeira, o que tem de mal pra você a minha expressão…

 

Veja bem, a sua expressão vai de contra aos meus princípios, portanto eu não me agrado em ver  seus valores jogados na minha cara o tempo todo.

 

Ora pois, mas tú também colocastes teus valores a cerca dos olhos de qualquer um. Eu vi e não nego. por isso mesmo exijo liberdade extrema para demonstrar os meus.

 

Vou te bloquear.

 

Isso é um absurdo é incabível que um país funcione assim? Desse jeito não dá! Com todo esse dinheiro se resolveriam muitos problemas…

 

Não devemos cometer atrocidades. (nem tão pouco divulga-las) O que foi que você disse?

 

Eu? Eu não disse nada não…

 

Mas eu ouvi, e acho muito rude da sua parte.

 

Rude? Rude é você que escancara o inferno foto a foto…

 

Não é nada mais que a verdade!

 

E o que você faz pra que a verdade seja outra?

 

Eu compartilho.

 

Mas essa é a maneira certa de se fazer?

 

Sociedade do conflito. Separam-se em lados opostos e se engalfinham em conversas fracas e fúteis onde dificilmente se enxerga algum valor. A maioria é rude com aquele que se propõe diferente e age de forma a se fazer superior e merecedor do direito de agredir; não importa a forma. Se agridem.

 

Enquanto isso o mundo gira, e quem está por cima é quem manda nessa roleta. Mas veja bem, eles sabem que tem tudo sob controle, mas isso não faz com que tirem o olho daqui. Saímos, vencemos janelas, voltamos do Canadá direto pro jornal. Jornal que passe até naquelas cidadezinhas de motoqueiros que você viu no outro programa. Estamos de olho. E o que os olhos deles enxergam?

 

Deles quem?

 

DELES TODOS!

 

O julgamento de valor é intimo e impessoal. haha

 

Caráter na terra dos espertos é certeza de estar fazendo parte do circo.

 

Pode-se dizer sem agredir, eles sabem disso. Eles sabem quem faz isso, e até colocam na TV pra você ver de vez em quando. Mas ok, se você assistir e depois mudar o canal. Está tudoo bem desde que você permaneça sentado, desde que você permaneça entretido.

 

A gente se vê por ai…

 

(*abraço pro Mirabel.)

1 restante

rascunho salvo

publicar imediatamente

os mesmos jogos

de antigamente

 

faz tempo faz

fez bem meu bem

e agora é mais

“quase” ninguém

 

pra onde foi

por quem levou

e quem deixou

o que mudou?

 

cadê você

nem quero ver

me faz um mal

melhor esquecer

 

só instante

estou instável

e acaba assim sem mais nem menos